"E aqueles que foram vistos dançando foram julgados insanos por aqueles que não podiam escutar a música." Nietzsche

Formspring

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Filosóficas

A CONTA, POR FAVOR

Tinha mania de silêncio. Ruminava. Mil vezes pensava sobre as coisas, e sobre o seu pensamento sobre elas. Gastava horas e dias a pensar, e se não o fazia se sentia oprimida pelo excesso de acontecimentos, situações, sentimentos e frustrações que iam se atulhando na sua cabeça. Agir era um tormento, a não ser em causa não própria. Comprava brigas contra injustiças, se disponibilizava a realizar sonhos, sabia orientar os amigos sobre os problemas mais complexos, mas não sabia resolver uma simples escolha no cardápio do restaurante, quiçá no da vida. 

Um ser fadado a angústia, talvez fosse o resumo da sua ópera. Se preocupava com tudo e com todos, queria fazer o bem tanto quanto fosse possível, e até impossível. Se indignava e vivia a proclamar a necessidade de pessoas mais reflexivas, críticas, e preocupadas com o próximo,  quando a realidade é completamente diferente, é exatamente oposta. 

Se perceber na arena da vida, diante de tantas feras, e dos nossos próprios monstros, não é tarefa fácil. Nesta luta, muitas vezes esquecia de si. Escondia as fragilidades, como se assim fosse ficar menos frágil. Não chorar quando queria, não pedir para falar quando tanto precisava, são alguns dos exemplos da inglória tarefa que empreendia de parecer forte, mesmo quando não era. E quem o é, finalmente? 

Diante da inevitabilidade do existir, seguia adiante. Com o cardápio na mão, continuava sem saber ao certo o que fazer, o que pedir. Um prato de indiferença, talvez lhe caísse bem. Quem sabe uma porção de certezas, lhe acalmasse os nervos. Paralisada, nada pedia. Na ausência de definição, o garçom lhe trazia sempre o prato da casa, a mesma farta refeição de dúvidas e incertezas, que a alimentava desde criança, e que sempre lhe custou tão caro.
.

2 comentários:

Fabiana disse...

Dai, que coisa linda.
eu li e pensei: putz, queria ter escrito isso.
mas só você mesmo (:

dai-ane disse...

Rs. É nosso.
Bjs, Fab!