"E aqueles que foram vistos dançando foram julgados insanos por aqueles que não podiam escutar a música." Nietzsche

Formspring

domingo, 25 de março de 2012

Desabafos de Uma Educadora em Crise


O PRECONCEITO NASCEU PARA LEGITIMAR O MAL 

Nós seres humanos criamos realidades das quais somos reféns, e costumamos ter um inconfessável pendor para a dominação. Digo inconfessável porque não são poucos os empreendimentos ideológicos, criados em diversos tempos e espaços, para convencermos a nós mesmos, e aos outros, de que aquilo que fazemos é o obviamente bom, e o obviamente correto. 

Hitler queria que a Alemanha dominasse o mundo, então criou a ideia de que a Alemanha deveria dominar o mundo porque seria a raça superior, apta e indicada para tal tarefa. Noutra época, os reis disseminaram a Teoria do Direito Divino, que lhes dava o direito de serem reis, tão onipotentes quanto o Divino. Já os homens vivem fazendo futricas contra as mulheres, para continuar alimentando o domínio milenar, exercido com violência, baseado numa suposta superioridade masculina. Os brancos, por sua vez, fizeram de uma substância que pigmenta a pele, a justificativa para escravizar e matar milhões de pessoas. 

Enfim, por trás das mais deslavadas violências, das mais mesquinhas ambições, dos mais torpes objetivos, existe sempre uma desculpa esfarrapada para agir desta ou daquela forma. Quer dizer, por trás não, pela frente, pois as ideologias carregadas de preconceito são as cínicas máscaras que legitimam o mal. Elas sorriem e escondem o inconfessável desejo de dominação. 

Racismo, homofobia, xenofobia, e todas as outras fobias que por ai assombram, foram criadas como armas, em relações marcadas pela disputa de poder, e por conta disso foram intencionalmente disseminadas para serem reconhecidas como verdade. Portanto, antes de abrir a boca por ai, antes de agir, e sobretudo quando imaginar que está pensando, pergunte de onde vem as suas certezas, alimente-as com dúvidas, e descubra quem se beneficia com o que você é. O preconceito nasceu para legitimar a prática do mal.

Na foto: colonizadores belgas exibem nativos do Congo segurando mãos cortadas de outros nativos, atividade rotineira praticada pelos brancos para "combater a preguiça" dos habitantes locais.

3 comentários:

Anônimo disse...

E por mais estranho que possa parecer, o que se vê aumentar não é essa consciência, mas os próprios preconceitos e fobias.
E ainda há quem diga que a Humanidade evolui...

Laine Neves disse...

Em pequenas palavras afirmo que adorei a relação entre poder e preconceito, mesmo sabendo que "adorei" não é uma palavra consistente para defender uma ideia rsrs... Certezas que devem ser contestadas, justamente por termos tanta certeza das nossas ideias.

Lai disse...

Em pequenas palavras afirmo que adorei a relação entre poder e preconceito, mesmo sabendo que "adorei" não é uma palavra consistente para defender uma ideia rsrs... Certezas que devem ser contestadas, justamente por termos tanta certeza das nossas ideias.