"E aqueles que foram vistos dançando foram julgados insanos por aqueles que não podiam escutar a música." Nietzsche

Formspring

sábado, 3 de julho de 2010

Da série: Filosóficas.


SOB CHUVA... 

Em mim...

A tenacidade da chuva mais parece uma metáfora. A chuva, esta de agora, não torrencial, sem ventos tenebrosos, mais se assemelha a goteira lamurienta da velha casa. Triste, apenas.

Nas encostas...

A tenacidade da chuva encharca o solo. A chuva, esta de agora, não torrencial, sem ventos tenebrosos, é sorrateira e pode levar abaixo toneladas de terras, casas, vidas. Mortal.

No campo...

A tenacidade da chuva prepara o terreno para o plantio. A chuva, esta de agora, não torrencial, sem ventos tenebrosos, pode trazer o pão que servirá de alimento para muitos. Vital.

(... enquanto isso a chuva cai, indiferente, sem sequer saber-se chuva ou isto ou aquilo para quem quer seja.)

Diante da complexidade dos fatos e da inexorabilidade da natureza, que resilientes aceitemos a chuva, esta chuva, todas as chuvas, e possamos sobreviver à fartura ou a violência das suas conseqüências nas nossas vidas assim tão débeis.

3 comentários:

Luciana Ramos disse...

Que lindo, Dai!!!
Beijos,
Lu

LIRIS LETIERES disse...

Tenho chovido a cântaros...

LIRIS LETIERES disse...

Tenho chovido a cântaros...